Observar o meio em que as pessoas vivem nos revela onde guardam suas paixões, e escolheram- viver suas vidas.

Todos nós nascemos nus e ganhamos – o que é realmente um presente – o livre arbítrio. Sim, o direito de fazermos o que quisermos das nossas vidas. Isso independente de crenças, religião, de você gostar ou não, todos nós chegamos aqui da mesma forma.

Pessoas ‘morrem de fome’, espiritualmente falando, em frente à grandes banquetes.

Correrias do dia a dia, prioridades onde – muitas vezes – o ‘ganha pão’ vem acima da família, e porque não dizer valores. O ‘preciso’ subiu à cabeça e ficou maior que o eu/nós. E a espiritualidade, que nunca foi ensinada, ou melhor, vivenciada dentro de casa, no caminho ficou. Uma corrida contra a correnteza.

Claro que como todas as coisas na vida, tudo tem seu preço. Tem um provérbio que diz: “Quem é sábio? Aquele que controla suas paixões”.

E isso explica tantas coisas que vemos no mundo de hoje… As pessoas vivem onde se ‘deliciam’ – e, muitas vezes, sem nenhum controle – isso tanto para o lado bom, quanto para o mal.

Somos produtos do nosso meio! Fazendo um paralelo com bichos, aliás D’us nos deu exemplos tão lindos na natureza, basta somente enxergar – coisas que muitos não conseguem mais.

O porco vive em um chiqueiro, ele se lambuza em sujeira, faz parte dele. Quantos ‘porcos’ vemos no mundo?! Pessoas que gostam de fofocar, de apontar o dedo, de passar informações sem ao menos checar a veracidade, mas se esquecem que a sujeira ‘lambuzada’ e impregnada fica – também – em seu próprio corpo, casa e família.

Porque a ‘porcaria’ nunca fica em um lugar só, ela se espalha.

Conhece algum ‘espírito de porco’? Pois é, fuja dele! Há animais como as ovelhas que precisam de um pastor. Felizes daqueles que acham um pastor bom, para ir para um lugar certo e seguro, mas não esqueça que existem impostores e pessoas que ‘se fantasiam’ de ‘bom pastor’… Como um lobo em pele de cordeiro. A cobra rasteja e ataca aqueles que cruzam seu caminho. Quantas ‘cobras’ conhecemos, que por se acharem incapazes, ou por inveja, atacam qualquer um ao seu redor. Há aquelas, ainda, que com ‘requintes de crueldade’ enrolam suas vítimas.

Cobras adoram justificar suas ações – porque fez isso e aquilo – com o que geralmente aconteceu – somente – em sua ‘cabeça’ – e que na realidade não foi nada daquilo.

Existem os tubarões que acham que são os donos do pedaço, até encontrar um maior que ele e se ‘estrepar’. Aliás o único animal capaz de matar um tubarão é o golfinho. Ele não sai matando, ele fica na dele – cuidando da sua vida – mas se precisar ele usa seu poder com excelência, para se defender. Ah, como é gostoso encontrar ‘golfinhos’ na vida. São pessoas felizes, que ajudam a edificar sua vida e a de todos ao redor, e não têm tempo e nem paciência para ‘mimimi’.

Eles têm tanto respeito pela sua vida, que não a desperdiçam em julgamentos em redes sociais. Aliás o respeito ao próximo é sua principal característica. O seu lema: “Para eu ganhar, você não precisa perder, a não ser que você insista, aí o problema é seu”.

Os pássaros, gostam de ver de outro ângulo, voam e pousam nas copas das árvores. Seu descanso é de cima. Eles, podem sim, pisar em terra, mas sua natureza é voar. Você não encontra um passarinho na lama de um porco, ele não se ‘propõe’ a tal coisa.

Ele está acima disso. Aliás ele não tem nem o ‘porque’ parar em um chiqueiro. Ele alcança voos onde ninguém pode imaginar. Pássaro podem até andar em bandos, mas vivem tranquilamente sozinhos. Entende que seu lugar é no alto, e não se sujam, em lugares que não lhes pertencem.

Que suas ‘paixões’ sejam inteligentemente escolhidas, e mais, controladas. Que você decida voar e não rastejar. E se você, por algum acaso da vida, não puder voar. Que seja como o golfinho, que sabe viver em harmonia, porém vigilante. Que cria com o estresse e não se desespera. Que você entenda que nosso livre arbítrio nos dá o presente de escolhermos ser quem quisermos, coisas que os bichos não podem, então não haja como algo que você não foi ‘destinado’ para ser, principalmente um ser sujo, que gosta de rolar em ‘fezes’. Haja com prudência e excelência em um mundo onde tudo é abundante – feito para você, com uma beleza ímpar. Enfim, aquele que sentir um ligeiro impulso para voar, jamais rastejará. Que seu impulso te leve para a sua verdadeira missão.

Nurya Ribeiro

About the author :

Leave A Comment

Related posts